Publicado em Israel, Nações

O holocausto – Poderia acontecer de novo?

 

0,,15894369_303,00O dia de lembrança do holocausto, Yom ha Shoah, foi relembrado em Israel no dia 16 de abril. Cerimônias aconteceram  relembrando o horror que a menos de 80 anos atrás, surgiu, buscando mais uma vez , o extermínio da raça judaica .

A palavra hebraica para ” Holocausto” é Shoah, que significa catástrofe , calamidade, cataclismo, desolação. A palavra aparece várias vezes nas Escrituras ; no Salmos 35 : 8 e 63: 9 é a destruição que os inimigos do salmista deseja trazer sobre a sua alma , mas em que, como ele confia no Senhor , eles mesmos vão cair .

O nascimento de Israel como um “Estado judeu”, proveu um refúgio para os sobreviventes do Shoah- uma casa e bastião para os seus descendentes, esperançosamente de que  tal mal nunca mais aconteça. Na verdade, o slogan “Nunca mais!” tem sido passado de geração em geração desde então. Muito tem sido feito com a criação de museus, com livros e filmes e programas na crença de que “educação e  informação” sejam a melhor defesa contra a sua repetição.

No entanto, nos sentimos compelidos a apontar que aquelas nações mais no coração da ideologia que gerou o Holocausto na década de 1930, foram por mais de 400 anos consideradas o centro de educação civilizada ocidental, cultura, e na maior parte do tempo, poderíamos acrescentar, da religião cristã. Uma coisa que nós deveríamos ter aprendido com isso é que a educação secular nunca, por si só, pode conter-deter a crescente onda do mal.

Poderia acontecer algum outro Shoah?  Certamente o maligno gostaria que houvesse. Ele percebe que, com o estabelecimento e crescimento desta nação, e especialmente agora que há um remanescente messiânico desperto e crescendo na terra, e que os santos propósitos de Deus ainda não cumpridos para o seu povo antigo ainda estão em curso. Ele sabe que seu tempo é curto. E assim vemos novamente um anti-semitismo em ascensão.

Alguns dias atrás numa partida de futebol em Utrecht, na Holanda, onde o time visitante era de Amsterdã, uma cidade conhecida por sua presença judaica histórica, um grupo de fãs da cidade gritavam alto, “Hamas, Hamas, judeus para o gás. Meu pai estava nos comandos, minha mãe estava na SS, juntos eles queimaram os judeus, porque os judeus queimam melhor! “ O canto, captado em vídeo e circulado pela mídia holandesa, rapidamente gerou pedidos de desculpas e promessas de se localizar os fãs da ofensa. Mas, como foi apontado em um artigo do Washington Post, isso não foi um incidente isolado – apenas o último de uma série de episódios  anti-semitas semelhantes que estão estragando os jogos em toda a Europa continental e Grã-Bretanha (“cânticos nazistas no jogo de futebol holandês . “: The Washington Post, 10 de abril de 2015).

“Onde há fumaça, há fogo” – e onde existem as sementes com tais expressões vis de ódio, isso pode brotar ligeiramente no ambiente nacional em forma de ações.  Entre os intelectuais dos países “ocidentais”, anti-semitismo tem sido, nos últimos anos, mais propensos a focalizar a sua ênfase sobre a existência da nação de Israel em si, ocultando-se atrás de uma garantia repetida de que não é “anti-judeu” -apenas “anti-sionista”.

E, claro, por todo o mundo, o Islã se alimenta num ódio aos judeus, que é extraído de sua fonte primária, ou seja, o Corão.

(Fonte: M & N Sarvis, de Jerusalém)

 

Morreu nesta semana a sobrevivente mais idosa do Holocausto

herz-sommer

A sobrevivente mais antiga conhecida do Holocausto morreu em Londres nesta semana. Ela estava com 110 anos.

Alice Herz-Sommer, que se acredita ser a mais antiga sobrevivente do Holocausto, que se tem conhecimento, morreu domingo de manhã, em Londres, 110 anos, um membro da família disse à Associated Press. “A devoção de Herz-Sommer para o piano e seu filho sustentou-a por dois anos em uma prisão nazista, e um filme sobre ela foi nomeada para melhor curta-documentário no Oscar da próxima semana. Ela morreu em um hospital de domingo de manhã depois de ter sido admitido sexta-feira, disse a nora Genevieve Sommer.

“Alice Herz-Sommer, believed to be the oldest-known survivor of the Holocaust, died Sunday morning in London at age 110, a family member said,” the Associated Press reported. “Herz-Sommer’s devotion to the piano and to her son sustained her through two years in a Nazi prison camp, and a film about her has been nominated for best short documentary at next week’s Academy Awards. She died in a hospital Sunday morning after being admitted Friday, daughter-in-law Genevieve Sommer said.”

http://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=LManGeoEbDk

 

Alice Herz-Sommer