YOM KIPPUR e o testemunho de uma judia que encontrou Jesus

CORDEIRO2
Cresci jejuando no Yom Kippur desde bem pequena. Já que morávamos a um bloco da sinagoga, membros da família e amigos frequentemente gastavam os intervalos das reuniões na casa de meus pais. Ainda relembro-me que por anos, perguntei ao meu pai, meus tios, primos, meu rabino: “Onde está o sacrifício? onde está? Se seguimos todas estas normas e regulamentos, onde está o sacrifício?

Depois que me tornei uma seguidora de Yeshua*, tudo isto passou a ter sentido para mim. Eu sei que esta pergunta que queimava em meu jovem coração, era o Espírito Santo direcionando-me para a vida expiatória de Yeshua. Como sou grata pelo trabalho dele em mim e pelo coração questionador que Ele me deu!”

Assim como havia dois bodes (no dia da expiação), deve haver ambos um sacrifício pelo pecado e um “carregador dos pecados”. João viu Jesus vindo até ele quando estava batizando aqueles que se arrependiam no rio Jordão, e ele exclamou, “Hineh! Seh haElohim ha’noseh hatat ha’Olam!’- “Olhem! o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.” O Rei Davi entendeu isto. No salmo 25 ele pede perdão pelos pecados duas vezes. Contudo a palavra que frequentemente é traduzida como perdão no verso 18 é diferente daquela usada no verso 11; no primeiro a palavra significa “perdoar”, no segundo ela significa literalmente “carregar”. Perdão de pecados requer ambos um sacrifício de sangue para purificar, e um carregador dos pecados, pra toma-los sobre si. O verso 22 clama a Elohim para “redimir Israel de todas as suas tribulações.” Eles nunca poderão fazer isto por si mesmo, somente o Seu Deus pode prover redenção completa, e isto através do trabalho de Seu Filho: Jesus Cristo.

(*) Yeshua, é o nome de Jesus em hebraico.

(De acordo com o Testemunho de N.S, uma discípula, seguidora de Jesus que vive em Jerusalem)