Aliá em tempos de Covid-19

Aliyah: Surpreendentemente, centenas de judeus emigraram para Israel, embora precisassem ir imediatamente dos aviões para a quarentena de 14 dias, incluindo 900 desde o início de março! Uma coisa boa a sair dessa situação do CV-19 é que milhares de israelenses fora das fronteiras de Israel chegaram em casa. Alguns estavam fora por causa das férias ou do tradicional “vamos explorar o mundo” após o serviço das FDI, e outros optaram por morar fora de Israel – mas agora muitos desejam voltar. Aleluia!

O retorno dos judeus continua. Seja sob ameaça de terrorismo, Covid-19 ou abalos econômicos – o povo judeu está voltando para casa. Ontem, 119 etíopes chegaram para se juntar a famílias e amigos já aqui. E a Irmandade Internacional de Cristãos e Judeus – um dos principais facilitadores da aliá – acabou de relatar um aumento de 20% nos pedidos desde a crise do vírus.

  • Pai, nós abençoamos esses novos olim (imigrantes) da Etiópia e pedimos que o Senhor derrame Sua graça pra ajudá-los a se adaptarem levando-os a uma vida plena aqui em casa. (Is. 37:31)
  • Obrigado pela nova ministra de Aliá & absorção de Imigrantes, Pnina Tamano-Shata, a primeira ministra etíope em Israel, e uma mulher que veio pra Israel quando tinha três anos de idade. (Nm. 6:24-26).
  • Que alegria e resposta de oração ouvir sobre o seu coração pelos novos imigrantes (Zc. 8:2-7)
  • Te agradecemos por prepará-la pra um tempo como este. (Et. 4:13,14)
  • Conceda a ela sabedoria pra ajudá-los a se ajustarem com sucesso à vida em Israel. (2 Cr. 2:10).
  • Ajude-a a construir uma excelente relação de trabalho entre ela e o ministro do Interior, a Agência judaica, e todos judeus e grupos cristãos que estão trabalhando na área da Aliá. (Isa. 49:22-23).
  • Fale com Israelenses que vivem fora da terra que agora é hora de retornar (Zc.10:8).
  •   Obrigado pelos relatos das dezenas de milhares de judeus que estão ansiosos e se preparando para retornar quando as viagens internacionais forem restabelecidas (Isa. 60: 8-9).

Mireille Knoll, que sua morte não tenha sido em vão!

Mireille Knoll, uma judia francesa de 86 anos, sobrevivente do Holocausto foi assassinada em seu apartamento em Paris em 23 de março de 2018. O assassinato foi oficialmente descrito pelas autoridades francesas como um crime de ódio anti-semita.

Mireille Knoll tinha 9 anos quando, graças a um passaporte brasileiro miraculosamente herdado do pai, escapou com a mãe àquela que foi a maior captura massiva de judeus feita na França: nos dias 16 e 17 de julho de 1942, quando 13 mil pessoas foram presas em Paris e arredores e deportadas para a Alemanha. A operação, conhecida na França como Rafle du Vél” d”Hiv – rusga do velódromo de inverno. Mãe e filha conseguiram refúgio em Portugal e partiram depois para o Canadá, onde Mireille veio a casar-se com um sobrevivente do Holocausto. Criaram uma família em Paris, filhos, netos e bisnetos, alguns vivem hoje em Israel. Alertados para um fogo no seu apartamento, os bombeiros encontraram o corpo de Mireille na sexta-feira da semana passada. A justiça francesa está a investigar o caso como um crime de ódio religioso, por haver indícios de que foi a sua condição de judia que o motivou.

A morte de Mireille Knoll provocou uma enorme mágoa na comunidade judaica, quase um ano após o assassinato, em Abril de 2017, de Sarah Halimi, uma mulher de 66 anos judia que foi espancada no seu apartamento e posteriormente atirada da janela, alegadamente por um vizinho muçulmano. O conselho representativo das instituições judaicas de França (CRIF, na sigla francesa) pede “total transparência” na investigação do caso de Mireille Knoll.

Esse acontecimento trágico prova o que tenho ouvido já por várias  vezes, de que o lugar mais seguro para os judeus hoje é o estado de Israel.

Recentemente, judeus no mundo inteiro celebraram a páscoa. A refeição do Seder termina com a proclamação “No ano que vem em Jerusalém”. Quase todos os judeus no exílio dizem isso – incluindo os judeus messiânicos – mas, a menos que haja uma ameaça muito real a suas vidas, a maioria dos judeus não tem essa intenção, ou seja, deixar tudo para trás e começar uma nova vida na terra de seus antepassados.

Que a morte da Sra. Knoll não seja em vão, mas seja motivo pra muitos judeus que vivem hoje na Europa e outras nações, de se mudarem pra Israel.

Publicado em Israel, Nações

Crescimento de anti-semitismo na Europa e o novo Êxodo do povo judeu

newsweek-exodus1

Em meados de julho, num espaço de 10 dias, mais de mil judeus franceses deixaram a França em direção a Israel, deixando para trás os seus meios de subsistência, com esperanças de um amanhã mais seguro.

O tratamento terrível de judeus na França não é simplesmente um resultado da operação de Israel em Gaza. Em junho, enquanto as coisas ainda estavam relativamente calmas no conflito Israel-Palestina, os judeus foram forçados a fugir da França em massa. Citando preconceitos xenófobos islâmicos, anti-semitismo e extremos, milhares de judeus fizeram as malas e partiram para Israel. Aliá (emigração) da França deve superar a dos EUA em 2014.

De acordo com o governo francês, no primeiro trimestre de 2014, 169 incidentes anti-semitas foram registrados. Os primeiros três meses de 2014 viu um aumento dramático de 40 por cento de incidentes anti-semitas em relação ao ano de 2013.

Esta semana foi anunciado que, pela primeira vez, a França tornou-se o país com o maior número de judeus fazendo aliá (imigração pra Israel).

Citando como estímulo, além de dificuldades econômicas, um “clima de anti-semitismo que está perdendo seu tabu”, o chefe da Agência Judaica para a França Ariel Kandel espera que 6.000 novos imigrantes cheguem em Israel vindos da França durante 2014. Com 500,000 a população judaica na França é a maior da Europa, e isso constitui cerca de 1% dessa população. (França também é agora o lar da maior comunidade muçulmana, no continente europeu, em torno de 5,000,000).

“No mundo ocidental ou livre”, comentou Kandel, “nós nunca vimos um por cento da comunidade judaica imigrando para Israel,” (“Jewish World: Anti=-Semitism drives largest ever French immigration to Israel”:ynetnews.com, 5 Sept 14, 23:22).