A vocação de Berlim

Hoje é um feriado importante aqui na Alemanha. O país comemora o dia da unidade alemã, que nesse ano celebra 30 anos da reunificação. Pra comemorar deixo aqui um texto sobre Berlim que acabei de traduzir. É o ponto de vista de um intercessor!

A vocação de Berlim
A história de Berlim, agora nossa capital e sede de
governo do nosso país remonta ao século XIII.
A história alemã foi feita em Berlim de muitas maneiras. Muitos
debates culturais e políticos, bem como disputas ideológicas
têm sua origem aqui em Berlim e isso ainda é verdade hoje.
A cidade passou por muitos momentos de convulsão.
A divisão da Alemanha, com a construção do Muro, não foi experimentado tão diretamente em nenhum outro lugar senão Berlim, como um
realidade tangível e dolorosa.
Com a reunificação da Alemanha, Deus abriu um novo
capítulo e Berlim se tornou a “cidade da unidade” e um
símbolo do derramamento da graça de Deus e operação de milagres.

A mensagem que chega até nós de Berlim é que o que Deus tem
feito ali, Ele pode fazer em qualquer outro lugar do mundo. Não somente
liderança política, mas também espiritual, deve ser evidente nesta
cidade, junto com um espírito de servo e entendimento sábio.
Berlim precisa do nosso amor e da ajuda e orientação de Deus. o
o destino e o futuro de Berlim são importantes para todos nós.

Oremos para que os planos redentores de Deus pra Berlim e pra Alemanha se cumpram.

FONTE: Sentinela alemã

O acordo Abraão, um acordo de paz entre Israel, Emirados árabes e Bahrein foi assinado nos EUA.

O dia 15 de setembro foi um dia histórico. Foi assinado o acordo de paz entre Israel, Emirados árabes e Bahrein.

Além de Donald Trump, estiveram presentes na cerimônia Benjamin Netanjahu, Abdulla Bin Zayed e Hamad bin Isa Al-Khalifa. Respectivamente, líderes de Israel, Emirados árabes e Bahrein.

Nestes 72 anos do renascimento do estado de Israel, esse é o terceiro tratado de paz entre Israel e países árabes.

Segundo o Jerusalem Post, foram três documentos ao todo: a declaração dos Acordos de Abraão; a Declaração de Paz, Cooperação e Relações construtivas Diplomáticas e Amigas entre o Reino do Bahrein e o Estado de Israel; e o Tratado de Paz, Relações Diplomáticas e Normalização Plena entre os Emirados Árabes Unidos e o Estado de Israel. O primeiro documento tinha 210 palavras, o segundo cerca de 460, e o tratado de paz com os Emirados Árabes Unidos tinha nove páginas.

Netanjahu, Zayed e Hamad bin Isa Al-Khalifa

O acordo Abraão e a contagem regressiva no relógio profético de Deus

Eu estava tão envolvida lendo minhas mensagens de feliz aniversário, que quase não prestei atenção a um acontecimento histórico, certamente um dos mais importante de 2020. Algo que aconteceu no dia do meu aniversário, dia 13 desse mês.

Presidente Trump foi o mediador de um tratado de paz entre Israel e o Emirados Árabes Unidos.

De acordo com o autor judeu Ron Cantor, este é o terceiro acordo de paz entre Israel e um país árabe. O primeiro foi em 1979 com o Egito e o outro em meados dos anos 90 com a Jordânia. Não tínhamos um acordo de paz com outra nação árabe desde então. E todos os relatórios sugerem que nos próximos dias um acordo com o Bahrein será finalizado – e várias outras nações árabes se seguirão. Um dos aspectos mais surpreendentes deste acordo é que ele não teve nada a ver com um Estado palestino.

O tratado de paz deixou enfurecidos líderes iranianos, turcos e palestinos. Por esta razão alguns acreditam que haja algo bom nesse acordo.

Fiquei tocada ao ler a oração de um intercessor de Jerusalém, nestes termos “Aba, como os Emirados Árabes Unidos estão dispostos a abençoar Israel, envie o avivamento às suas fronteiras em troca.” Precisamos dizer um “Amém” bem forte pra essa oração.

Vamos acompanhar nas próximas semanas os efeitos desse acordo de paz. Pra aqueles que estão de olho no relógio escatológico, creio que esse é um momento de muita atenção e sobriedade. Que possamos erguer nossas cabeças e proclamar “Maranata!”, ora vem Senhor Jesus!

Quando o fogo consome os Cedros do Líbano!

Quando o fogo consome os cedros do Líbano (Juízes 9:15)

Às 18h08, hora local, em 4 de agosto, uma explosão apocalíptica atingiu o Porto de Beirute, capital do Líbano. A explicação oficial para a causa da explosão é que o Armazém # 9 do porto (repleto de fogos de artifício chineses) de alguma forma pegou fogo e dentro de minutos o incêndio saltou para o Armazém # 12, onde 2.750 toneladas de fertilizante de nitrato de amônio estavam depositados armazenamento. Este fertilizante altamente explosivo (confiscado de um cargueiro russo abandonado seis anos antes) foi mantido “no limbo”, armazenado no porto devido à inação burocrática por parte dos juízes municipais de Beirute.

Outra possibilidade distinta é que as explosões tenham sido na verdade um terrível acidente em bunkers subterrâneos de armas e depósitos de munições administrados pelo Hezbollah. O grupo terrorista jihadista apoiado pelo Irã armazena foguetes e mísseis guiados por GPS, motores de foguete e combustível, explosivos e armamentos diversos em muitos lugares do Líbano, geralmente no coração de grandes cidades, incluindo Beirute e em casas de civis:

A explosão de uma tempestade contra a parede (Isaías 25: 4)

A onda de explosão supersônica foi sentida tão longe quanto o norte de Israel e Chipre (240 quilômetros de distância), deixando uma cratera entre 140 e 200 metros de largura. O Observatório Sismológico da Jordânia mediu uma força sismológica equivalente a um terremoto de magnitude 4,5. Especialistas da Universidade de Sheffield no Reino Unido estimam que a explosão teve um décimo da força da bomba atômica lançada sobre Hiroshima, tornando-a uma das maiores explosões não nucleares da história.

Até agora, foram 157 mortos, 80 pessoas desaparecidas e mais de 5.000 feridos. O governador de Beirute, Marwan Aboud, estima que até 300.000 pessoas ficaram desabrigadas pelas explosões, que destruíram casas a até dez quilômetros de distância. Três hospitais e 90% dos hotéis de Beirute foram destruídos. Aproximadamente 85% das reservas de grãos da cidade foram incineradas, e Beirute declarou estado de emergência de duas semanas.

Os líderes libaneses estão comparando este desastre a Hiroshima, e a mídia local cunhou uma nova palavra “Beirutshima” para descrever a gravidade dos danos.

Beirute foi devastada. De suas montanhas cobertas de neve branca (“Líbano” é a antiga palavra hebraica para “país branco”) a suas belas praias, de seu crescente centro de música e mídia árabe a suas rotas de drogas operadas pela Síria e pelo Hezbollah (heroína e haxixe) e contrabando – esta cidade costumava ser conhecida como Paris e Suíça do Oriente Médio. As ondas de choque dessa explosão estão se propagando por todo o Oriente Médio. É um momento sóbrio.

Lamentem, porque o cedro caiu (Zacarias 11: 2)!

Beirute é a décima quinta maior cidade do mundo árabe e a terceira maior no Mediterrâneo Oriental. Este desastre é um golpe poderoso, que parece mais adequado às profecias bíblicas sobre cidades libanesas como Tiro (Isaías 23; Ezequiel 26-27) ou Sidon (Mateus 11).

O Líbano conheceu conflitos terríveis e guerras civis nos últimos 150 anos. Recentemente, o Irã semeou o país com uma quinta coluna jihadista particularmente venenosa, conhecida como Hezbollah (“o exército de Alá”). Líderes xiitas islâmicos libaneses que estudaram em Najaf, o Irã adotou as estratégias do Aiatolá Khomeini pós-Revolução Iraniana de 1979. Financiado pelo Irã e treinado por um grupo central de instrutores Pasdaran, o Hezbollah foi estabelecido em 1985 para atacar Israel, trazer vitória religiosa e política para a comunidade xiita marginalizada do Líbano e ajudar a espalhar o controle jihadista iraniano em todo o Oriente Médio.

Desde 2008, o Hezbollah, para todos os efeitos, tomou conta do Líbano, controlando sua vontade política, econômica e militar. O grupo jihadista iniciou ataques terroristas contra o exército israelense, ataques de foguetes e mísseis contra civis israelenses e construiu um arsenal mortal de mais de 150.000 foguetes guiados com precisão e mísseis capazes de atingir todos os centros populacionais de Israel.

A mídia israelense regularmente traz à tona a probabilidade de uma guerra total em breve entre o Hezbollah e o Estado judeu. Com 150.000 foguetes e mísseis apontados para todas as cidades da Terra Prometida, os cidadãos israelenses precisam ser constantemente lembrados de envolver nossas mentes em torno da possibilidade de graves mortes de civis e da destruição de infraestrutura essencial nesta próxima rodada.

Os edifícios destruídos de Beirute são uma imagem preocupante de como grande parte do Líbano será se o Hezbollah começar a disparar seus foguetes e mísseis contra a população civil de Israel. Israel advertiu claramente que, em tal eventualidade, o IDF e o IAF precisarão retirar todos os lançadores de foguetes ocultos e degradar ou destruir as principais instalações de infraestrutura do Líbano.

Num só Dia

As pessoas hoje lutam contra uma superabundância de cinismo. O conceito de Deus ser soberano mesmo em tempos de desastre é sumariamente rejeitado pela maioria no mundo moderno. A sabedoria politicamente correta diz que quando um desastre atinge um país, toda a sociedade daquela terra instantaneamente se torna um excelente exemplo de justiça piedosa. Só Deus, dizem eles, é o vilão responsável pelos desastres. O conceito de julgamento ou aplicação da lei divina está totalmente falido, sob essa perspectiva.

sabendo primeiro isto: que nos últimos dias virão escarnecedores, andando segundo as suas próprias concupiscências  e dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? Porque desde que os pais dormiram todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação.  Eles voluntariamente ignoram isto: que pela palavra de Deus já desde a antiguidade existiram os céus e a terra, que foi tirada da água e no meio da água subsiste;  pelas quais coisas pereceu o mundo de então, coberto com as águas do dilúvio. Ora, os céus que agora existem e a terra, pela mesma palavra, tem sido entesourados para o fogo, estando reservados para o dia do juízo e destruição dos homens impios.”

(2 Pedro 3:3-7)

As Escrituras falam da velocidade das obras de YHVH chegando em um dia. Esses trabalhos podem ser positivos: “

Eu removerei a iniquidade desta terra, num só dia.” (Zc.3:9)

“Quem jamais ouviu tal coisa? Quem viu coisas semelhantes? Poder-se-ia fazer nascer uma terra em um dia? Nasceria uma nação de uma vez? Mas Sião esteve de parto e já deu à luz seus filhos.” (Is. 66:8)

As obras rápidas que acontecem em um dia também podem ser altamente destrutivas:

não houve no dia da ira do SENHOR quem escapasse ou ficasse…”(Lm.2:22)

Mas ambas estas coisas virão sobre ti num momento, no mesmo dia, perda de filhos e viuvez; virão em cheio sobre ti, apesar de tuas muitas feitiçarias, apesar do grande poder de seus feitiços.” (Is. 47:9)

Como podemos então orar?

*Oremos para que uma onda de arrependimento varra o Líbano e a Síria, voltando muitos corações para o Deus de Israel e longe da maldição do povo de Israel
*Oremos pelos feridos, esmagados e quebrantados de espírito em Beirute – para que Deus seja seu socorro bem presente nas dificuldades (Salmos 46: 1-3)
*Oremos para que os líderes de Israel recebam revelação (2 Reis 6:12) sobre as estratégias do inimigo, bem como a sabedoria de Deus

Fonte: Avner Boskey (David’s tent)

Cristãos do Myanmar recebem sua primeira Bíblia depois de 54 anos de espera…

A tribo Sqaw Karen na floresta de Myanmar (antiga Birmânia) recebeu a Bíblia no idioma deles. O pastor Samuel relatou que a igreja dele já estava orando há 21 anos pelas Escrituras no idioma deles. Essa tribo guerreia com o governo ditador há mais de 70 anos. É a guerra mais longa do mundo. Muitos inocentes já foram mortos debaixo do regime opressivo do governo local. Agora esse povo recebe as Escrituras na esperança de que Deus transforme o pranto deles em festa. Uma membro da igreja chorou ao receber a Bíblia e disse que orou a vida toda por esse momento. Ela tinha 55 anos e faleceu poucos dias depois de ganhar a Bíblia. O irmão Kar que foi vítima de um ataque terrorista onde ele perdeu a esposa e seus 9 filhos relatou da sua alegria em receber a Bíblia na sua língua materna. Em lágrimas ele disse que começou a orar por isso em 1966 e depois de 54 anos Deus respondeu seu clamor. Ore pelo povo Karen para que Deus esteja os protegendo e que as Escrituras seja um divisor de águas na vida desse povo.

João 3:16 na língua do povo Karen

HISTÓRICO: Pastor pentecostal se torna presidente de uma nação no Sudoeste africano!

A história foi feita no domingo, quando um apaixonado pastor pentecostal jurou ser o novo presidente do Malawi.

“Nunca vi nada parecido”, disse Mike (nome fictício)), durante um podcast do BTJ ontem. “Geralmente, depois de uma eleição, temos violência”, mas não desta vez. Mike é um missionário e vive no Malawi há quase vinte anos. Ele disse que os trabalhadores de sua base de missões, que fica a sete horas da capital do Malawi, comemoraram até altas horas da noite com as notícias do novo presidente.

O Presidente Lazarus Chakwera tem um histórico único e inspirador. Ele nasceu no Malawi quando ainda estava sob o domínio colonial britânico. Sua mãe deu à luz dois meninos que morreram na infância; portanto, quando Lázaro nasceu, eles deram a ele um nome bíblico que prometia a esperança de ressuscitar dentre os mortos se ele morresse na infância.

Lázaro era um comunicador apaixonado e tinha um forte desejo de compartilhar o Evangelho de Jesus Cristo desde tenra idade. Em 1983, ele se tornou professor na Escola de Teologia Assembléias de Deus. Em 1996, ele foi designado para ser o princípio da escola. Foi co-diretor e conferencista do Seminário Teológico de Todas as Nações.

Lázaro presidiu todas as Assembléias de Deus do Malawi desde 1989, que o manteve até 2013.

O Malawi é classificado como um dos países mais pobres do mundo. Depois de todas as grandes eleições ocorridas desde a independência, é costume que a violência se espalhe pelas ruas, mas não desta vez. Nenhuma violência foi relatada desde que Lázaro venceu em um deslizamento de terra, com quase 59% dos votos.

“Como você sabe, muitas forças das trevas trabalharam para impedir esta eleição, mas falharam, porque nenhuma força pode impedir a mudança que Deus decretou para nós”, disse Lázaro durante seu discurso. Uma multidão aplaudindo podia ser ouvida gritando “aleluia”, de tempos em tempos durante o discurso, como se estivessem em um culto na igreja.

“Eu não sou presidente de uma facção, sou presidente de todos no país”, disse ele durante uma entrevista à BBC.

O pregador pentecostal e ex-professor de teologia disse que seu papel seria unir e servir os malauianos. “Quero fornecer uma liderança que faça todos prosperarem, que lide decisivamente com a corrupção e o roubo de fundos públicos e uma liderança que siga o estado de direito”.

“De que serve a liberdade da opressão se você e eu somos escravos da fome? Ou liberdade do colonialismo se você é escravo do tribalismo? ”, Ele disse durante seu discurso presidencial. “Chegou a hora de irmos além do sonho, chegou a hora de acordarmos, ressuscitarmos do sono e tornarmos nossos sonhos realidade … Com sua ajuda, restauraremos a fé em ter um governo que sirva; não um governo que governa, um governo que inspira, não um governo que enfurece, um governo que escuta, não um governo que grita, mas um governo que luta por você e não contra você. ”

Um pregador do evangelho nunca teve a oportunidade de servir uma nação como essa agora. Encorajamos a todos os intercessores a lembrar desta nação em seu tempo de oração nesta semana.

Que Deus abençoe o Malawi. Que Deus abençoe a Africa!

FONTE: BTJ Ministries

O corona vírus, uma Perspectiva de Jerusalém (2)

Um tempo de abalo Global

No início de fevereiro, muitos líderes importantes do nosso ministério em todo o mundo se juntaram a nós em Jerusalém para sessões de estratégia relacionadas ao 40º aniversário do ICEJ. Em um dos momentos de oração, Dag Øyvind Juliussen, membro do Conselho do ICEJ e diretor nacional da Noruega, compartilhou que, nos últimos meses, o Senhor falou com ele fortemente de Ageu, capítulo 2. Lá, o profeta declara:

“Pois assim diz o Senhor dos Exércitos: Mais uma vez daqui a pouco, sacudirei os céus e a terra, o mar também e a terra seca. Abalarei todas as nações; e eles virão com a riqueza de todas as nações, e encherei esta casa de glória ‘, diz o Senhor dos exércitos. ” (Ageu 2: 6-7; ver também v. 21-23 – NASB)

Essa profecia é então citada na epístola de Hebreus 12: 27-29. Principados e sistemas celestes e terrestres serão abalados. Apenas algumas semanas após nossa reunião em Jerusalém, o mundo está realmente sofrendo um abalo que levou a muitas conseqüências sem precedentes, como Israel não permitindo que nenhum turista entre no país.

Esses tremores proféticos serão tão impactantes que o próprio Jesus adverte que “as pessoas ficarão aterrorizadas diante do que estará prestes a acontecer na terra, pois os poderes dos céus serão abalados. (Lucas 21:26)

Os efeitos dos abalos atuais são múltiplos. Uma crise econômica imprevista está surgindo em todo o mundo. Segundo algumas agências de notícias, os danos econômicos do Coronavírus em voos cancelados, mercadorias não entregues, etc., já estão na ordem de US $ 1 trilhão de dólares.

Este não é apenas um número, mas afeta pessoas reais. Por exemplo, a El Al Airlines colocou a maioria de seus funcionários em licença não remunerada e grande parte de sua frota está paralisada. As ações da gigante de computadores Apple caíram acentuadamente em janeiro e fevereiro, pois partes de seus smartphones foram produzidas na região de Wuhan e não são mais entregues. O semanário britânico Spectator avaliou que tudo isso significa um colapso da globalização – pelo menos temporariamente.

A crise da Corona demonstra definitivamente o quão frágil é o sistema global de comércio. É uma antecipação possível daquele grande dia descrito em Apocalipse, quando o sistema global chega a um fim repentino, porque “Babilônia caiu, caiu” (Apocalipse 14: 8).

Ao mesmo tempo, o profeta Ageu descreve esse tremor como liberando uma nova medida de glória no templo de Deus. Em outras palavras, como o mundo está em turbulência, Seu reino está ficando mais forte na terra. Um dos resultados mais positivos do surto de coronavírus atualmente atingindo o Irã é que cerca de 70.000 prisioneiros – entre eles muitos cristãos perseguidos – foram libertados da prisão.

Esses mesmos abalos podem provocar uma fome de Deus e a Igreja precisa estar pronta para isso. O que esta passagem de Ageu demonstra é formulado de uma maneira diferente no capítulo 12. de Hebreus. Aqui, os abalos que virão abalarão o que pode ser abalado, ao mesmo tempo em que revelam as coisas que não podem ser abaladas (Hebreus 12: 27ss).

A passagem então termina com um apelo a todos nós: “Portanto, como estamos recebendo um reino que não pode ser abalado, tenhamos graça, pela qual possamos servir a Deus de maneira aceitável com reverência e temor a Deus. Pois nosso Deus é um fogo consumidor. ” (Hebreus 12: 28-29)


Atualização sobre o coronavírus: presos cristãos que ajudam em Wuhan. Material de ajuda confiscada.

Traduzi e estou postando essas noticias de três dias atrás, para informar e nos desafiar a continuar orando pela China e especialmente pelos cristãos que estão tentando ajudar a população de Wuhan.

⇓  ⇓  ⇓

O Coronavírus é uma praga que ataca a China e está piorando a cada dia. Ontem, sozinho, 86 pessoas morreram com o vírus, elevando o total de mortes para 724. Mesmo que muitas medidas draconianas tenham sido tomadas para impedir a doença, o número total de pessoas infectadas pelo vírus aumenta em cerca de 3.000 pessoas todos os dias.

Infelizmente, o Coronavírus não é a única coisa que assola Wuhan. Agora os cristãos que foram ajudar estão sendo presos e sua ajuda confiscada.

O BTJ está enviando ajuda, mas as igrejas alertaram que a China está parando a ajuda vinda dos cristãos. Os cristãos que distribuem máscaras médicas tão necessárias estão sendo presos e suas máscaras são confiscadas.

O governo chinês adotou novas regras rígidas este mês para os cristãos, exigindo que os líderes da igreja mostrem completa devoção ao Partido Comunista e isso significa que não há mais esforços de ajuda não registrados.

Essas novas regras surgem como resultado do impacto da ajuda cristã durante os esforços de socorro.

Para impedir que os cristãos ajudem, o governo agora exige a aprovação do estado para igrejas que contratam novos funcionários, realizam treinamento ou reuniões especiais, recebem doações ou iniciam qualquer grande projeto de construção.

O governo também exige uma permissão para qualquer comunicação no exterior e é aí que o apoio e ajuda humanitária de Volta a Jerusalém são vulneráveis.

Essa nova regra que formalmente se tornou lei em 1º de fevereiro de 2020 limita as comunicações entre igrejas e organizações estrangeiras, como missionários chineses e apoiadores do BTJ.

Desde janeiro, mesmo antes da entrada em vigor da lei, houve vários relatos da polícia de Wuhan prendendo cristãos com ajuda,  tentando ajudar a cidade a combater o coronavírus.

De acordo com uma mensagem enviada ao BTJ em janeiro, “ore por nossa igreja enquanto distribuímos ajuda na cidade de Wuhan. … Dois de nossos amigos foram presos e todos os seus [pertences], incluindo máscaras, foram confiscados. ”

Os cristãos chineses continuam a sair para as ruas de Wuhan para ajudar as pessoas durante esse período terrível, mesmo correndo o risco de serem presos.

As pessoas em Wuhan sentem-se desesperadas e realmente apreciam a esperança que a igreja está dando, especialmente agora que as autoridades estão invadindo casas particulares e arrastando à força os suspeitos de serem expostos ao vírus, como pode ser visto na figura abaixo.

Impedir os cristãos de ajudar os necessitados é apenas a ponta do iceberg. A China lançou um plano de cinco anos para reforçar o controle do Partido sobre o cristianismo. As igrejas locais registradas já foram instruídas a arvorar a bandeira nacional, derrubar a cruz, cantar canções patrióticas e ensinar sermões do Partido Comunista. Muitos cristãos que não cumpriram essas novas regras foram presos, mesmo com a garantia de liberdade religiosa no artigo 36 da Constituição chinesa.

FONTE: https://backtojerusalem.com/coronavirus-update-christians-helping-in-wuhan-arrested-aid-confiscated/?

Li Wenliang: O nascimento de um mártir

No final, até sua morte parece ter sido manipulada: o Dr. Li Wenliang foi um dos primeiros a alertar seus compatriotas do novo vírus corona. A polícia o silenciou, chamando-o de “propagador de boatos”. Então Li ficou doente com a doença pulmonar. O médico morreu na noite de sexta-feira, horário local em Wuhan.

Um espetáculo irreal aconteceu on-line por horas: o Global Times, fiel ao partido, relatou a morte de Li por volta das dez e meia. Milhões de chineses expressaram seu choque. A Organização Mundial da Saúde expressou suas condolências no Twitter. Então se espalhou a notícia de que Li ainda estava vivo. Ou não? Depois da meia-noite, os repórteres informaram que Li faleceu às 00:04 da manhã. O Hospital Wuhan Xinhua negou. Finalmente, as autoridades informaram que Li Wenliang morreu às 2:58 da manhã.

Mas é assim que o desastre é perfeito para o governo de Pequim: nas últimas semanas, o oftalmologista de 34 anos Li havia se tornado um ícone. Em 30 de dezembro de 2019, ele alertou em um grupo de bate-papo sobre um novo patógeno. A polícia foi vê-lo em casa à noite e disse para ele ficar calado. No final de janeiro, Li testou positivo para o vírus corona de 2019 nCoV. Sua esposa está esperando um segundo filho. Ela também foi infectada nesse meio tempo. Os pais dele também. Li é uma das mortes mais jovens da epidemia. A maioria dos mortos é muito mais velha e teve doenças anteriores. Não se sabe se houve complicações com a doença de Li.

A sociedade chinesa está unida agora, em luto pela sua morte, do que há muitos anos. Dificilmente alguém deixa seu destino intocado. Li não era um dissidente, nenhum intelectual ou artista perturbado, nem Uigure numa Xinjiang distante. Mas um jovem oftalmologista de alto nível, chinês han da classe média, e também de boa aparência. Li não estava à parte da sociedade convencional, mas bem no meio. Li é o mártir ideal.

Numa sociedade saudável, não deveria haver apenas um tipo de voz – Dr. Li Wenliang

A onda de raiva e tristeza nas mídias sociais ainda está forte. Pessoas de todo o país estão postando fotos de velas e desenhos de Li com arame farpado como protetor bucal – as fotos podem facilitar a prevenção da censura. Um comentarista escreve: “A morte de Li é um dia de vergonha nacional”. Os obituários descrevem Li como um amigo da porta ao lado, alguém que frequentava a sorveteria de chinelos e frequentava regularmente a popular rede de hot spots Haidilao.

FONTE: https://www.zeit.de