Publicado em Escrituras Sagradas, Palavra profética

Discernindo Nosso futuro (2a. Parte)

Nem tudo o que reluz profeticamente é ouro

O Deus de Israel levantou homens e mulheres para entregar Seu conselho ao povo judeu, bem como às nações deste planeta. Esses profetas falaram diretamente à nação, e algumas de suas palavras foram descritas na Bíblia. Às vezes, eles descreviam sua experiência como ‘permanecer no conselho do SENHOR’. Um homem ou mulher que teve essa experiência carregava profundamente os propósitos do coração de Deus. A realidade dessas visões, sonhos e experiências proféticas nos afeta até hoje.

Mas havia outros que profetizavam visões apenas por ‘sua própria imaginação’. Deus não os enviou, mas eles correram e compartilharam uma mensagem. Deus não havia falado com eles, mas ainda assim eles profetizaram. Estes eram falsos profetas que floresceram como espinhos num campo de trigo.

 Mas, nos profetas de Jerusalém, vejo uma coisa horrenda…Não deis ouvidos às palavras dos profetas que entre vós profetizam; ensinam-vos vaidades e falam da visão do seu coração, não da boca do Senhor. 17 Dizem continuamente aos que me desprezam: O Senhor disse: Paz tereis; e a qualquer que anda segundo o propósito do seu coração, dizem: Não virá mal sobre vós. 18 Porque quem esteve no conselho do Senhor, e viu, e ouviu a sua palavra? Quem esteve atento à sua palavra e a ouviu? 19 Eis que saiu com indignação a tempestade do Senhor, e uma tempestade penosa cairá cruelmente sobre a cabeça dos ímpios. 20 Não se desviará a ira do Senhor até que execute e cumpra os pensamentos do seu coração; no fim dos dias, entendereis isso claramente. 21 Não mandei os profetas; todavia, eles foram correndo; não lhes falei a eles; todavia, eles profetizaram. 22 Mas, se estivessem no meu conselho, então, fariam ouvir as minhas palavras ao meu povo, e o fariam voltar do seu mau caminho e da maldade das suas ações.

(Jeremias 23:14; 16-22 )

Em nossos dias, os mesmos princípios são verdadeiros. Tudo o que brilha não é ouro, e nem tudo o que é declarado como uma palavra profética nasce do conselho de Deus (ver 1 Tessalonicenses 5: 19-22).

Mergulhar na palavra de Deus e permanecer em Sua presença – essas são as chaves bíblicas para ouvir o coração do SENHOR e discernir o que Ele tem a dizer sobre o nosso futuro. Jesus desafiou os líderes espirituais de Seus dias nesses dois pontos. Ele observou que alguns deles não entendiam nem as Escrituras nem o poder de Deus (Mateus 22:29; Marcos 12:24). Hoje, os crentes geralmente escolhem se alinhar a um desses dois campos – as Escrituras ou o poder de Deus. O Senhor quer que escolhamos as duas asas da águia.

Aqueles que aspiram a falar o que está no coração de Deus estão almejando um chamado elevado. Isso requer que você se acostume e permaneça ligado- submisso à palavra e ao coração de Deus.

O Padrão fidedigno de Deus para discernir o futuro está ligado ao entendimento sobre Israel

Agora, se congregaram muitas nações contra ti, que dizem: Seja profanada, e os nossos olhos verão seus desejos sobre Sião. 12 Mas não sabem os pensamentos do Senhor, nem entendem o seu conselho, porque as ajuntou como gavelas em uma eira. 13 Levanta-te e trilha, ó filha de Sião; porque eu farei de ferro a tua ponta e de cobre, as tuas unhas, e esmiuçarás a muitos povos, e o seu ganho será consagrado ao Senhor, e a sua fazenda, ao Senhor de toda a terra.” (Miqueias 4:11-13)

O chamado de Israel e o destino de Deus pra esse povo é uma das questões mais importante para as nações do mundo entenderem. Mesmo quando levantam a mão para atacar e dividir Jerusalém, eles não tem ideia de como o Deus de Jacó vê as coisas, e como YHVH em breve irá usar o poderoso exército de Ezequiel 37 para pulverizar nações injustas (ver Zacarias 12:6-9 et al.).

Estes são os dias de Noé

Uma canção popular cantada pelos crentes nos últimos 20 anos é “Estes são os dias de Elias”. Quem sabe seja mais oportuno agora o fato de estarmos vivendo no que Jesus chamou “Os dias de Noé.”
 
Deus falou com Noé, um homem justo – sem culpa em seu tempo- que achou graça aos olhos de do SENHOR (Genesis 6:1-18). Ele compartilhou com ele que a terra estava cheia de violência; que a maldade do homem era grande na terra, e que todas as intenções dos pensamentos eram maus continuamente.  Deus revelou a Noé que estava prestes a destruir toda a carne na qual está o sopro de vida, junto com todo o planeta. Somente Noé, sua esposa, seus filhos e esposas iriam sobreviver.

Quando Jesus falou com Seus discípulos em particular no Monte das Oliveiras (Mateus 24: 3), também revelou algo: “a vinda do Filho do Homem será como nos dias de Noé. Pois, como naqueles dias antes do dilúvio, eles estavam comendo e bebendo, casando e dando em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca, e eles não entenderam até que o dilúvio veio e os levou embora – assim será a vinda do Filho do homem ”(Mateus 24: 36-39; Lucas 17: 22-36).


O ponto enfático do Messias aqui é que a maioria das pessoas não entende que o julgamento está prestes a acontecer até que ele entre em ação, assim como aconteceu com a população mundial dos dias de Noé que não entendeu a extensão e a gravidade do julgamento do dilúvio de Deus até que começou a chover. (Ver Gênesis 2:6; 7:4)

A arca, iluminada por dentro aguardando o dilúvio.

Os Filhos de Issacar sabiam

Em dias de grande provação, os poderosos homens de guerra de Israel “chegaram a Hebrom com um coração perfeito para fazer Davi rei sobre todo o Israel. E todo o resto de Israel tinha o mesmo pensamento de fazer Davi rei ”(1 Crônicas 12:38). Entre eles estavam os guerreiros da tribo de Issacar, “homens que entenderam os tempos, com conhecimento do que Israel deveria fazer” (1 Crônicas 12:32). Que descrição surpreendente é dada nas Escrituras sobre esses homens! Eles discerniram os tempos – o que estava acontecendo ao seu redor – e receberam do conselho de Deus um conhecimento do que precisava ser feito.

Quando Deus alimentou Israel com maná, Ele ordenou que o chefe de cada família reunisse diariamente o suficiente para o número total de pessoas que cada homem tinha em sua tenda (Êxodo 16:16). Do mesmo modo, cada um de nós precisa se relacionar com Deus e com Sua palavra, recebendo o maná de discernimento e estratégia para nossa casa individual. Precisamos reunir isso para nós mesmos e não depender de fornecedores de maná de “grande nome”. Precisamos ser como os filhos de Issacar, nesses momentos de tremor, para que possamos ter conhecimento do que nossas famílias devem fazer.

Diante disto, como devemos orar?

*Ore pra que Deus fale conosco através de Sua Palavra e no nosso tempo com Ele, dando discernimento e estratégias em relação a esse tempo.

*Ore pra que revelação seja concedida ao povo Judeu sobre o coração de Deus e estratégias d’Ele pra esse tempo.

*Ore pelo levantar do exército profético de Ezequiel 37, entre o povo judeu.

Um comentário em “Discernindo Nosso futuro (2a. Parte)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s