Irmãos iranianos são presos, vamos orar por eles?

A organização “Middle East Concern”, relata que quatro irmãos iranianos foram presos depois que seu apelo foi negado no início deste ano. Hossein Kadivar, Khalil Dehghanpour, Kamal Naamanian e Mohammed Vafadar foram presos no ano passado por “pôr em risco a segurança do Estado e promover o sionismo”.

Eles começaram suas sentenças de 5 anos no dia 2 de junho. Três de nossos irmãos têm esposas e filhos. Mohammed é solteiro. Eles serão mantidos na prisão de Evin. Cinco outros irmãos, presos no mesmo período, mas incapazes de pagar a fiança, já estão lá.

No Irã, é crime converter do islamismo ao cristianismo. Apesar disso, dezenas de milhares de iranianos estão fazendo exatamente isso, encontrando esperança e vida no evangelho de Jesus. Eles correm o risco de serem perseguidos por suas famílias e seu governo.

A acusação de ‘promover o sionismo’ é interessante, e não está claro o que exatamente isso implicaria nos casos desses quatro irmãos. Mas ouvimos relatos de irmãos do Irã que se convertem ao cristianismo, frequentemente descobrem que o ódio contra Israel é removido de seus corações e eles começam a orar pela salvação do povo judeu. Em um país que vê Israel como seu maior inimigo, isso pode se tornar outro motivo de perseguição.

A Middle East Concern relata que os amigos desses irmãos pediram oração e, com prazer, incluímos seus pedidos abaixo. Ao nos encontrarmos neste domingo, on-line ou pessoalmente, vamos manter nossos irmãos na prisão perto de nossos corações e em nossas orações.

Amigos dos cristãos convertidos pedem oração para que:

*Deus conforte as famílias de todos os cristãos na prisão, suprindo suas necessidades e cuidando das crianças em particular

*Deus conceda sua paz àqueles que recentemente começaram a cumprir suas penas de prisão e os encoraje grandemente

*O Irã respeite a liberdade de seus cidadãos de seguir a fé de sua própria escolha e interrompa a criminalização das atividades dos convertidos cristãos como se eles estivessem agindo contra a segurança nacional.

FONTE: Back to Jerusalem / De Volta a Jerusalem