Iêmen – Quase cem mil pessoas já morreram devido à fome e a guerra

Sem um fim óbvio à vista, o custo humano da guerra civil no Iêmen não para de se agravar. Um relatório recente diz que, em quatro anos, o conflito causou quase cem mil mortos, além de três milhões de desalojados e ainda a maior epidemia de cólera no planeta.

O capítulo trágico mais recente aconteceu esta semana, quando os rebeldes houthis bloquearam a entrega de ajuda humanitária destinada a alimentar cem mil famílias. A denúncia foi feita por um responsável do Programa Alimentar Mundial (PAM) das Nações Unidas que explicou, sob anonimato, que os rebeldes impediram a entrada de oito mil toneladas de farinha no território que controlam, dizendo estar contaminada com insectos mortos.

Estima-se que mais de 15 milhões de pessoas equivalente a mais da metade da população total do Iêmen, estejam sofrendo fortes carências alimentares –400 mil crianças sofrem de deficiências nutricionais. A destruição de infra-estruturas básicas, como hospitais, clínicas e estradas, também tornou o Iêmen num campo fértil para epidemias como a cólera, que atinge mais de um milhão de pessoas. Sempre que abordam a guerra no Iêmen, as Nações Unidas lembram que se trata da “pior crise humanitária” no planeta.

Fonte de Notícias:  https://www.publico.pt

Vamos clamar por uma intervenção de Deus nesta nação? 

Salmo 110 – Deus no centro de tudo

Este é o salmo que mais tem me chamado a atenção nas últimas semanas. Por isso, estou incluindo ele aqui no blog, bem como um pequeno comentário, do autor americano Eugene Peterson.

“Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha mão direita, até que ponha os teus inimigos por escabelo dos teus pés. 2 O Senhor enviará o cetro da tua fortaleza desde Sião, dizendo: Domina no meio dos teus inimigos. 3 O teu povo se apresentará voluntariamente no dia do teu poder, com santos ornamentos; como vindo do próprio seio da alva, será o orvalho da tua mocidade.

4 Jurou o Senhor e não se arrependerá: Tu és um sacerdote eterno, segundo a ordem de Melquisedeque. 5 O Senhor, à tua direita, ferirá os reis no dia da sua ira. 6 Julgará entre as nações; enchê-las-á de cadáveres; ferirá os cabeças de grandes terras. 7 Pelo caminho, dessedentar-se-á no ribeiro e prosseguirá de cabeça erguida.”

Este é o Salmo mais popular em todo o Novo Testamento, com 7 citações e 15 alusões.

Segundo  Peterson,  a comunidade cristã do século I ponderava, debatia, memorizava e meditava no Salmo 110. …Mas a comunidade de nosso século tem ouvido muito pouco desse Salmo.   Ele é um salmo extremamente importante, escrito com arte e vigor, e nos dirige em uma oração que tira o ego do centro – nos resgata do egocentrismo, voltando nosso foco para o ser e a ação de Deus. As consequências de orá-lo são imensas para os que desejam agir diante do mal que assola o mundo. 

A repetição “O SENHOR disse…O SENHOR jurou” enfatiza Deus no centro. É compreensível permitirmos, sem perceber, que as preocupações do ego usurpem a adoração a Deus, mas não é inevitável. É comum, mas não necessário, que a admiração diante da palavra centralizadora de Deus escoe pela peneira do dia-a-dia. (…) 

Jesus de Nazaré nasceu nesse mundo. Pobre, sem poder, obscuro, Ele era um messias bem improvável. Então Deus falou: 

“Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha mão direita, até que ponha os teus inimigos por escabelo dos teus pés.

Um rei veio a existir, um que traz ordem, beleza, justiça e paz. Deus voltou a falar:

                  Jurou o Senhor e não se arrependerá: “Tu és um sacerdote                                  eterno, segundo a ordem de Melquisedeque”.

Um sacerdote que coloca as pessoas em relacionamento perfeito com Deus foi formado. Deus falou e criou o Messias rei-sacerdote, exatamente como havia falado para criar o mundo. Nascimento, ministério, sofrimento, morte e ressurreição de Jesus de Nazaré se reuniram e deram forma a toda a verdade e revelação que estavam dispersas…