Israel – Oitava nação mais poderosa

A pequena nação de Israel, com pouco menos de 9 milhões de habitantes, foi classificada como a 8ª nação mais poderosa do mundo entre 80 países pelo terceiro ano consecutivo.

A pesquisa anual da agência americana  “News & World Report’  baseia-se na influencia econômica e política, bem como aliança internacional e forte poder militar. O ranking relativamente alto de Israel baseou-se em sua forte influência militar, forte influência política e alianças internacionais. O relato observou:    
"Por seu tamanho relativamente pequeno, o país desempenhou um grande papel nos assuntos globais. O país tem uma economia forte, marcos de importância para várias religiões e estreitou as relações com muitos de seus vizinhos árabes. ”

Israel, que tem serviço militar obrigatório para homens e mulheres, foi classificada como a nação mais forte do Oriente Médio, seguida de perto pela Arábia Saudita (nono) e os Emirados Árabes Unidos (décimo primeiro). O Irã é considerado a 13ª nação mais poderosa.

Aliado de Israel, os Estados Unidos – com a maior economia e maior orçamento militar do mundo – ficaram em primeiro lugar. Outros países com classificação poderosa incluíram Rússia, China, Alemanha, França e Japão.

Na pesquisa dos “melhores países”, Israel chegou em 29º lugar, subindo um lugar desde o ano passado. A Suíça foi a primeira nesta categoria.

Infelizmente, Israel marcou menos quando classificado como um destino “divertido” (ou “sexy”), marcando apenas 0,1 de 10 em ambos. Nós que vivemos aqui e aqueles que visitaram podem testemunhar que vir a Israel não é apenas divertido, mas é uma jornada gratificante, enriquecedora e transformadora!

(Fonte:  Ron Cantor)

Quando você entender em termos médicos, você valorizará o sacrifício, o sofrimento e a morte de Cristo

 

Quando você entender em termos médicos, você valorizará o sacrifício, o sofrimento e a morte de Cristo.
(Por Paul Strand)


Todos os cristãos sabem que Cristo morreu por eles na cruz. Mas um médico aqui em Indianápolis que estudou a crucificação por uma década diz que até você entender o que Jesus passou em termos médicos, é difícil valorizar plenamente o quanto Ele sofreu para pagar pelos pecados da humanidade.
“Era a pior forma de morte imaginável,” disse Joseph Bergeron, autor do livro A Crucificação de Jesus. “E os romanos a usavam há três séculos na época em que Jesus apareceu, então estava bem aperfeiçoada.”


Médico descarta sufocação
Bergeron disse ao noticiário da Rede de Televisão Cristã dos EUA: “Na maioria das vezes na Páscoa ouvimos pregações sobre como Jesus sufocou enquanto estava na cruz.”
No entanto, o médico diz que o sufocamento não combina com os relatos dos Evangelhos de Jesus falando na cruz.
“Ele falou com o Apóstolo João, por exemplo. Ele falou com os ladrões que foram crucificados com Ele. Quando você está sufocando e lutando pelo seu último suspiro, você não tem interesse em continuar uma conversa,” argumentou.
E embora isso fosse uma maneira ruim de morrer, os romanos se asseguraram de que uma morte relativamente rápida não ocorresse, de modo que aqueles que eles crucificavam sofressem por muito mais tempo.
“Há referências literárias sobre pessoas que ficaram na cruz por uma semana. Quando você está sufocando, você não vai durar tanto tempo,” disse o médico, acrescentando: “Com a crucificação, era uma morte lenta e torturante.”


Grande pista nas próprias palavras de Cristo: “Este é o meu sangue derramado…”
A verdadeira causa da morte aparece nas palavras proféticas de Cristo na Última Ceia.
“Jesus nos disse como Ele iria morrer. Ele disse: ‘Este é o meu sangue que é derramado para a remissão de pecados.’ Isso não é sufocamento. Isso é sangramento até a morte. Isso é choque. Essas são as complicações do choque.”
O termo médico preciso usado por Bergeron é “choque hemorrágico traumático.”
Como explicar o fato estranho de que Ele suou sangue no jardim do Getsêmani? A explicação é que Ele sabia que uma morte tão cruel estava vindo depressa a Ele.


Jesus na angústia traumática antes que o sofrimento físico começou
“E para ser honesto com você, nunca entendi isso ou pensei que isso tivesse acontecido,” admitiu Bergeron. “Mas estudando a crucificação extensivamente nos últimos 10 anos, entendi que realmente ocorre o suor de sangue. Houve poucos casos — apenas alguns. Eles são sempre antes de ferimentos graves, a ameaça de lesão e, geralmente, antes da execução. Que Jesus suou gotas de sangue significava que ele entendeu completamente o que estava prestes a acontecer a ele.”
E então começou quando Jesus foi levado cativo e conduzido a dois grupos de atormentadores. Os judeus e romanos espancaram e rasgaram Sua carne em duas surras violentas.
Bergeron disse desses judeus: “Caifás e o sinédrio O condenaram por blasfêmia, que era punível com a morte.”
Mas sob o governo romano os judeus não tinham autoridade para executar, então eles O puniram fisicamente de forma brutal. Então toda uma companhia de soldados romanos O espancou até quase mata-lo.


O que irritou os romanos
O autor explicou: “Agora você tem de entender que os romanos não gostavam dos judeus, para começar. Eles eram antissemitas. E para a pessoa que era acusada basicamente insurreição política — nomear-se rei dos judeus — isso teria aumentado a raiva deles e piorou a surra que Ele experimentou dos soldados romanos.”
Bergeron disse a respeito de Jesus: “E assim, a surra que Ele levou excedeu o que era típico para as vítimas da crucificação. E ele teve uma grande perda de sangue e ferimentos nos tecidos.”
Então o choque começou a se instalar antes que Cristo atingisse o Calvário.


Por que Ele não conseguiu levar a cruz?
“Parecia que ele estava começando a experimentar o choque apenas andando ali. Porque ele não conseguiu levar parte da cruz para o local da crucificação. Esperavam que Ele fizesse isso. Todo faziam isso, mas Ele não conseguiu,” disse Bergeron .
Isso levou o médico a diagnosticar: “Então Ele estava ficando fraco e entrando em choque naquele momento, mais provavelmente do que não.”
Então veio a execução mais dolorosa e humilhante que os romanos podiam administrar.


Crucificação “Considerada Obscena”
“Era considerada obscena,” Bergeron compartilhou. “Um cidadão romano nunca seria crucificado. A crucificação era para insurgentes políticos, criminosos e escravos fugitivos.”
A crucificação puniu totalmente o corpo de Jesus com um choque tão traumático a ponto de matá-Lo horas antes do que a maioria das pessoas crucificadas.
O médico explicou que o choque impediria que o sangue de Cristo coagulasse.
“Essa é uma complicação muito sinistra, difícil de controlar, mesmo em centros médicos modernos que tratam trauma,” ele compartilhou de seus anos de experiência médica. “Na época de Jesus, não haveria tratamento e levaria à morte rápida. E isso explica por que Jesus morreu tão rapidamente: seis horas, em vez de dias, o que pode ser o caso com muita frequência.”


Morrer rapidamente, mas horrivelmente
O Filho de Deus morreu rapidamente, mas horrivelmente. O que deixa Bergeron maravilhado com o sacrifício.
Ele disse ao noticiário da Rede de Televisão Cristã em um tom calmo e reverente: “Que Ele se tornaria um ser humano e viria aqui e faria isso para retificar nosso relacionamento como seres humanos com Deus, redefinir e restaurar a comunhão com Deus, é uma coisa incrível.”
E naquela cruz, Jesus Cristo mostrou como é simples encontrar salvação nEle.
Então este médico e homem de fé compartilhou: “A oração para conhecer a Deus é tão simples. É como o ladrão na cruz. Ele não sabia o que dizer, então apenas disse: ‘por favor, lembre-se de mim.’ E uma oração sincera de qualquer pessoa nunca é rejeitada. Jesus disse a ele que ele estaria no paraíso naquele dia.”
Bergeron percebe que é difícil encarar todos os detalhes sangrentos da morte de Cristo. Mas ele acredita que isso pode nos ajudar a amar e respeitar ainda mais um Deus disposto a descer à Terra e enfrentar tal dor e agonia para que os seres humanos possam ser limpos de seus pecados e passar a eternidade com Ele

.Fonte: www.juliosevero.com

 

Publicado em Biografia, História das Nações

CORRIE TEN BOOM: relembrando uma mulher de fé e coragem!

Há 127 anos nascia na Holanda, Corrie ten Boom. Aprendi a admirá-la desde minha adolescência, quando li sua empolgante história no livro “O Refúgio Secreto”.

Este livro ainda causa impacto sobre minha vida. A vida dela ainda ecoa mesmo depois de tanto tempo.

Pra quem nunca ouviu falar de Corrie ten Boom, aqui vai um pouquinho de sua história. Ela era filha do relojoeiro Casper, da cidade de Haarlem, próxima de Amsterdã. Casper era um homem piedoso que amava a Deus e tinha um carinho especial pelo povo judeu, sendo que na sua casa funcionava um grupo de oração pelos judeus.  Este legado recebido do pai, fez com que Corrie e outros membros de sua familia se envolvessem com a resistencia holandesa ao regime nazista. Durante a segunda guerra mundial Corrie e sua família ajudaram a salvar centenas de judeus de irem para os campos de extermínio, até que foram presos no dia 28 de fevereiro de 1944. O pai de Corrie, então com 82 anos também foi levado à prisão, onde faleceu depois de 10 dias. Corrie e sua irmã Betsi foram conduzidas para um campo de concentração na cidade de Ravensbruck aqui na Alemanha. Betsi morreu no dia 16 de dezembro, enquanto Corrie foi posta em liberdade no dia 30 de dezembro. Em 1959 ela fez parte de um grupo que visitou Ravensbruck, para honrar Betsi e outras 96 mil mulheres que morreram ali. Estando lá ela ficou sabendo que sua libertação havia sido resultado de um erro de escrita; uma semana mais tarde todas as mulheres de sua idade foram levadas para a câmara de gás.

Um fato curioso de sua vida: ela nasceu num dia 15 de abril e morreu  em outro 15 de abril, quando estava completando 91 anos de idade.

O desejo que ela tinha de compartilhar o amor de Deus com as pessoas, levou-a a 61 países, incluindo alguns países “não-alcançados”, conhecidos na época como países da “cortina de ferro”.

Leitura indispensável,  a todos aqueles  que querem se posicionar contra o crescente anti-semitismo, que está se alastrando pela Europa e todas as nações. Encorajo àqueles que ainda não conhecem a história da Corrie Ten Boom a ler o livro ou ver o filme, “O Refúgio Secreto”.

Algumas frases de Corrie:

” Perdão não é uma emoção… Perdão é um ato da vontade, e a vontade pode funcionar independentemente da temperatura do coração.”

“A fé é como o radar, que enxerga através do nevoeiro; vê a realidade das coisas a uma distância que os olhos humanos não conseguem alcançar.”

“Você nunca saberá que Cristo é tudo que você precisa, até que Cristo seja tudo que você tem. “

“Não há poço tão profundo, que o amor de Deus não seja ainda mais profundo ”.

Saudações de Herrnhut

Chegamos com nossas malas, livros e outras coisinhas, no dia 31 de março em Herrnhut.  Louvamos a Deus por mais uma oportunidade que Ele nos concede de vir  morar aqui.
Herrnhut é uma cidade bem pequena, mas com uma história atrativa e abençoada. Apesar de ter uma população de cerca de 3.500 habitantes apenas, por este lugar passam milhares de pessoas a cada ano. 

Este é o primeiro post que estou enviando daqui. Espero escrever outros nos meses a seguir, durante nossa temporada por aqui. 

Quem sabe possamos nos encontrar por aqui, não é mesmo?

Sejam BEM-VINDOS!!!

Vista parcial de Herrnhut