Nova onda de perseguição à igreja na China

Em 1º de fevereiro de 2018, os novos regulamentos religiosos da China se tornaram lei oficial. Eles removem dos crentes chineses muito da liberdade conquistada duramente nos últimos 20 anos.

Durante uma visita em dezembro do ano passado, uma de nossas equipes na China reuniu-se com pastores que nos são conhecidos há muito tempo. Eles falaram destes novos regulamentos proibindo qualquer forma de ensino na igreja – o Partido Comunista, em seus novos regulamentos, afirma que o ensino é direito único do governo comunista chinês.

Em duas províncias, muitas igrejas foram informadas de que nenhuma criança pode participar de reuniões, e até bebês foram banidos da escola dominical. Líderes cristãos tem sido removidos, muitas Bíblias confiscadas, até mesmo algumas igrejas tem sido fechadas. Outro pastor relatou que ele havia sido informado de que qualquer reunião com mais de dez pessoas teria que pagar uma multa para cada um dos crentes no equivalente a 1.000 libras.

Alguns leitores podem achar isso difícil de acreditar, mas um ditado chinês explica: o modelo da China para o mundo é ser “solto (aparentemente!) por fora e apertado por dentro”.

Precisamos ver a dinâmica espiritual em tudo isso: a igreja da China está crescendo mais rápido do que nunca, e está desempenhando um papel significativo em alcançar as nações fora da China. Essa é a causa desta batalha espiritual.

COMO PODEMOS ORAR?

Pelas autoridades na China em sua busca por novas políticas religiosas. Oremos também para que a igreja tenha muita sabedoria sobre como lidar com a nova situação.

 

FONTE:  Derek Prince Ministries