Asia Bibi – Conheça a história de uma mulher cristã do Paquistão, há sete anos no corredor da morte

O Centro para o Estudo do Cristianismo Global publicou suas estatísticas para o ano civil de 2016. Ele relata que 90.000 cristãos foram mortos por sua fé. Outra fonte, Open Doors, coloca o número significativamente maior. Nenhuma figura aborda o número de cristãos que estão em prisões, precisamente por causa de sua confissão de fé em Jesus Cristo.

Asia Bibi é um dos exemplos marcantes que temos, entre os muitos cristãos encarcerados ao redor do mundo.

Sentença de Morte de Asia Bibi
A atenção do mundo deveria se voltar pra uma cela de prisão em Multan, Paquistão. Uma fiel esposa cristã e mãe chamada Ásia Bibi  passou mais um Natal longe de sua família. Ela está no corredor da morte há sete anos. Suas esperanças de uma suspensão do Supremo Tribunal do Paquistão caíram por terra em outubro de 2016, quando um dos juízes recusou-se.

Sua história foi o tema de um livro de 2011 intitulado “Blasfêmia: Uma Memória: Condenada à Morte por uma xícara de água.” Asia Bibi colaborou com a jornalista francesa Anne Isabelle Tollet e uma entidade católica de ajuda aos necessitados contando sua história. Esta mulher, esposa e mãe de 45 anos foi sentenciada a morrer por enforcamento em 8 de novembro de 2010, pelo simples fato de ser  aberta sobre sua fé cristã em uma nação islâmica.

Ashiq Masih, o marido de Asia, juntamente com os filhos do casal,  esconderam-se num enclave cristão não revelado. Ele estava convencido de que toda a família tinha sido alvo de morte por parte de grupos islâmicos radicais. Questionado sobre os eventos que deram origem à sentença de morte de sua esposa, ele disse a um repórter: “Ela estava colhendo bagas silvestres com outras mulheres, quando ela foi enviada para buscar água. Uma das mulheres se recusou a beber água depois que minha esposa mergulhou seu copo no balde. Esta mulher disse que estava contaminada porque foi tocada por um cristão. ”

Segundo Masih, todas as mulheres começaram a zombar de sua esposa e gritar insultos contra sua mãe e seus filhos. “O nome do santo profeta nunca foi mencionado. Cinco dias depois, o clérigo local veio até nossa casa, seguido por uma multidão enfurecida, e arrastou minha esposa para longe “, disse ele, lembrando o incidente ocorrido em junho de 2009.” Eles a espancaram, rasgaram suas roupas e acusaram ela de insultar o profeta. Depois, a trancaram em uma casa até que a polícia veio para levá-la embora.

Lei da Blasfêmia do Paquistão

Assim, um desacordo de vizinhança, que implicava a depreciação de um cristão por alguns muçulmanos hostis foi usado como um subterfúgio para perseguir abertamente uma cristã simplesmente porque ela ser cristã. Ela foi injustamente acusada, presa e sentenciada à morte por enforcamento no Paquistão sob a repreensível Lei da Blasfêmia.

Uma parte do Código Penal do Paquistão sob o qual ela foi condenada diz o seguinte:

Uso de observações depreciativas, etc; em relação ao santo profeta. Quem por palavras, faladas ou escritas ou por representação visível, ou por qualquer imputação, alusão indireta ou insinuação, direta ou indiretamente, profanar o sagrado nome do santo profeta Maomé (PBUH) será punido com a morte ou prisão perpétua, e também será passível de multa.

A Lei da Blasfêmia no Paquistão é um instrumento de opressão com o qual os cristãos são perseguidos pelos supremacistas islâmicos. O uso de tais leis de blasfêmia ou difamação religiosa para perseguir os cristãos não está confinado apenas ao Paquistão. É uma afronta ao direito humano fundamental de liberdade religiosa reconhecido pelas pessoas que amam a liberdade ao redor do mundo.

download“Eu não odeio aqueles que me fizeram sofrer ao longo dos anos. Eu perdoo a todos e oro por aqueles que me causaram dano. (Asia Bibi)
À medida que a notícia inicial da situação de Ásia Bibi se espalhou pela mídia internacional, ela trouxe condenação quase universal. Infelizmente, a atenção não durou. Seu sofrimento heroico e sofrimento pela  causa de Jesus Cristo deram origem a inúmeras petições, mas ela ainda se encontra no corredor da morte sete anos depois!

A Lei da Blasfêmia do Paquistão usada para suprimir a prática de sua fé religiosa sinceramente mantida é injusta, imoral e deve ser revogada. Diante de um ataque tão óbvio a um cristão, simplesmente por ser cristão, todos aqueles que têm o nome de cristão deveria orar e agir em solidariedade.

Asia Bibi nos faz lembrar as palavras de Jesus

Finalmente, todos os cristãos deveriam ser inspirados – e desafiados – pelo testemunho fiel e corajoso da Ásia Bibi durante estes sete anos. Ela disse recentemente a um correspondente de La Stampa que tinha uma mensagem que esperava compartilhar com todos os interessados por sua situação: “Só desejo dizer que não sinto ódio por ninguém. Eu não odeio aqueles que me fizeram sofrer ao longo dos anos. Eu perdoo a todos e oro por aqueles que me causaram dano.”

Tais palavras devem soar familiares a cada cristão, sejam protestantes, católicos ou ortodoxos. Eles refletem uma admoestação falada numa montanha há quase 2000 anos: “Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo.” Mas eu te digo: Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem , Para que sejais filhos de vosso Pai que está nos céus; Porque ele faz o seu sol nascer sobre o mal e sobre o bem, e envia chuva sobre o justo e sobre o injusto. “(Mateus 5: 43-45)

E pra concluir deixo estas palavras proferidas por nosso Senhor Jesus, no majestoso sermão do monte:

“Bem-aventurados serão vocês quando, por minha causa, os insultarem, os perseguirem e levantarem todo tipo de calúnia contra vocês. 12 Alegrem-se e regozijem-se, porque grande é a sua recompensa nos céus, pois da mesma forma perseguiram os profetas que viveram antes de vocês. (Mateus 5:11,12)