Resolução 2334 (2)

Dos Primeiros cinco pontos da resolução 2334

  1. Uma afirmação de que a presença de qualquer comunidade israelense “nos territórios palestinos ocupados desde 1967, incluindo Jerusalém Oriental, não tem validade legal e constitui uma violação flagrante sob a lei internacional e um importante obstáculo à realização da solução de dois Estados e uma paz justa, duradoura e abrangente.

2.  Este ponto “demanda que Israel imediatamente e completamente cesse todas as atividades de colonização nos territórios palestinos ocupados, incluindo Jerusalém Oriental.

 3.  A resolução salienta que não reconhecerá quaisquer alterações às linhas de 4 de Junho de 1967, incluindo no que diz respeito a Jerusalém, para além das acordadas pelas partes através de negociações”.  (e.g. Isso, apesar da resolução referir-se repetidamente aos assentamentos israelenses “em território palestino” ou “território palestino ocupado”. Não havia “território palestino antes de 4 de junho de 1967 – as terras relevantes eram ocupadas pela Jordânia e pelo Egito. Tampouco, desde então, nenhuma foi determinada “por meio de negociações”).

4.  Sublinha que a cessação de todas as atividades de assentamento israelenses é essencial para salvar a solução de dois Estados [esta frase “uma solução de dois Estados” (uma das quais seria um estado palestino muçulmano soberano na Judeia e Samaria) é mencionada não menos que sete vezes na resolução.]

5.  Exorta todos os Estados, tendo em conta o parágrafo 1 [acima] … a distinguir, nas suas relações pertinentes, entre o território do Estado de Israel e os territórios ocupados desde 1967 (ou seja, um chamado velado de boicote aos produtos israelitas produzidos ou fabricados na  Judeia, Samaria ou a chamada Jerusalém Oriental. É bom lembrar que milhares de palestinos dependem dessas indústrias e áreas agrícolas israelenses para seu trabalho e bem-estar).

resolucao2334