A Grande Comissão e as últimas palavras de Jesus

O Texto bíblico de Mateus 28:18-20 é conhecido como a “grande comissão”. É grande simplesmente porque nos foi entregue pelo nosso Rei e Senhor Jesus Cristo, pouco antes de sua volta aos céus.

18 Então, Jesus aproximou-se deles e disse: “Foi-me dada toda a autoridade nos céus e na terra. 19 Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, 20 ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei. E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos”.
A comissão inclui uma responsabilidade- “fazer discípulos de todas as nações”, e um método – “ensinando-lhes” a obedecer tudo o que o SENHOR mandou.
Nesta passagem, o termo “fazer discípulos” (grego: matheteúsate) é um imperativo, o que nos obriga a focar na importância do assunto.

grande-comissao2 O substantivo mathetes, discípulo, acontece quase 250 vezes no Novo Testamento, daí a centralidade do ensino no novo testamento.

O fazer discípulos resulta no treinamento de outros para ensinar. É bom nos lembrarmos que um bom ensino produz uma reação em cadeia(*).  Um belo exemplo que temos é do discípulo Timóteo, que foi comissionado pelo apóstolo Paulo:

 “E as palavras que me ouviu dizer na presença de muitas testemunhas, confie-as a homens fiéis que sejam também capazes de ensinar outros.” (2 Timóteo 2:2)

Paulo confiou tudo o que havia recebido a este discípulo que já havia recebido um legado, transmitido por uma cadeia de mestres piedosas em sua própria família: a avó Loide e a mãe Eunice (ver 2 Timóteo 1:5).


Espero voltar em breve ao assunto, o qual está ardendo em meu coração nestes dias.

(*)  Marvin Wilson,  Our Father Abraham.

Dabiq

As falsas profecias do EI (estado islâmico) caíram por terra!

Enquanto a batalha para libertar a cidade de Mosul do controle do Estado Islâmico no Iraque foi lançada na metade de outubro, as forças da coalizão tranquilamente libertaram outro site da tecla do controle EI na Síria – a cidade síria de Dabiq.

Poucos ocidentais notaram, mas este foi realmente uma enorme perda estratégica e psicológica para o Estado islâmico. Por quê? Porque os líderes do EI há muito tempo proclamavam que Dabiq seria o local de uma batalha apocalíptica no fim dos dias. De fato, o controle de Dabiq é central para a escatologia do Estado islâmico.

Dabiq é uma pequena cidade no norte da Síria. Por que ela é importante? Porque acreditam que, com base nas profecias islâmicas antigas, que o mundo ocidental – “as forças de Roma ‘- serão atraídas para esse ponto pra última batalha de toda a história, e que o Ocidente irá perder, e o estado islâmico  irá ganhar, e depois se dirigir a Jerusalém. A ideia em que eles acreditam é que o Fim dos Dias chegou, seu messias – conhecido como o “Mahdi” – está pra vir reinar sobre todo o mundo a qualquer momento. Os líderes do EI são movidos por uma escatologia islâmica que é genocida. E é por isso que é tão perigoso. E ainda a maioria dos líderes – incluindo o Presidente e os nossos dois principais candidatos sobre o Democrata e Republicano lado – eles não entendem isso. Eles não falar sobre isso. Isso é um problema.”

 

dabiq-map

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte:  Joel Rosenberg

Relembrando a noite de 09 de Novembro de 1938!

Em 09 de novembro de 1938, nazistas mataram judeus, incendiaram sinagogas, saquearam e destruíram lojas da comunidade judaica. O governo nazista impediu a ação de polícia e bombeiros. Aquela que ficaria conhecida no próprio jargão nazista como a “noite dos cristais quebrados” marcou o início do Holocausto, que causou a morte de seis milhões de judeus na Europa até o final da Segunda Guerra Mundial.
A “Noite dos Cristais” (Kristallnacht ou Reichspogromnacht), de 9 para 10 de novembro de 1938, em toda a Alemanha e Áustria, foi marcada pela destruição de símbolos judaicos. Sinagogas, casas comerciais e residências de judeus foram invadidas e seus pertences destruídos.

Série de proibições aos judeus

Milhares foram torturados, mortos ou deportados para campos de concentração. A justificativa usada pelos nazistas foi o assassinato do então diplomata alemão em Paris, Ernst von Rath, pelo jovem Herschel Grynszpan, de 17 anos, dois dias antes.

A perseguição nazista à comunidade judaica alemã já havia começado em abril de 1933, com a convocação aos cidadãos a boicotarem estabelecimentos pertencentes a judeus. Mais tarde, foram proibidos de freqüentar estabelecimentos públicos, inclusive hospitais.

No outono europeu de 1935, a perseguição aos judeus, apontados como “inimigos dos alemães”, atingiu outro ponto alto com a chamada “Legislação Racista de Nurembergue”. Enquanto o resto do mundo parecia não levar o genocídio a sério, Hitler via confirmada sua política de limpeza étnica.

Trajetória para o Holocausto já havia sido aberta

Uma lei de 15 de novembro de 1935 havia proibido os casamentos e condenado as relações extraconjugais entre judeus e não-judeus. Havia ainda a proibição de que não-judeus fizessem serviços domésticos para famílias judaicas e que um judeu hasteasse a bandeira nazista.

Ainda em 1938, as crianças judias foram expulsas das escolas e foi decretada a expropriação compulsória de todas as lojas, indústrias e estabelecimentos comerciais pertencentes a judeus. Em 1º de janeiro de 1939, foi adicionado obrigatoriamente aos documentos de judeus o nome Israel para homens e Sarah para mulheres.

A proporção da brutalidade do pogrom de 9 de novembro foi indescritível. Hermann Göring, chefe da SA (Tropa de Assalto), lamentou “as grandes perdas materiais” daquele 9 de novembro de 1938, acrescentando: “Preferia que tivessem assassinado 200 judeus em vez de destruir tantos objetos de valor!”270px-1938_Interior_of_Berlin_synagogue_after_Kristallnacht

Fonte:  https://noticias.terra.com.br