Publicado em Família

Gratidão pela vida de minha mãe

Ela completou 71 anos no dia 26. Alda é o nome de minha mãe.  P1070866

Pensei em registrar algo aqui no blog pra que meus leitores conheçam um pouquinho sobre mim. Isso mesmo, quer queiramos ou não somos continuação de nossos pais, não é mesmo?

Como sou grata a Deus pela vida dela!  Ainda me lembro de quando criança numa ocasião ela estava muito doente parecendo que ia morrer. Orei pedindo a Deus que a deixasse viver um pouco mais…Deus ouviu minha oração e até aqui tem prolongado os dias da vida de sua vida.  Mesmo enfrentando enfermidades ela não desistiu do sonho de ser mãe e se tornou mãe de quatro, sendo que eu sou sua primogênita.

Que Deus te abençoe e te guarde minha preciosa mãe!

(Texto em construção)

Formigas – pequenas mensageiras do Criador

“as formigas, criaturas de pouca força,     Messor cephalotes
    contudo, armazenam sua comida no verão…” (Provérbios 31:25)  

“Observe a formiga, preguiçoso,
reflita nos caminhos dela e seja sábio!
Ela não tem nem chefe,
    nem supervisor, nem governante,
 e ainda assim armazena
    as suas provisões no verão
e na época da colheita
    ajunta o seu alimento.

Até quando você vai ficar deitado, preguiçoso?                                             Quando se levantará de seu sono?”  (Provérbios 6:6-9)

As formigas mencionadas na Bíblia são conhecidas pelo nome científico  “Messor”.

Entre os vários diferentes tipos  de formigas em Israel  “Messor” é o mais encontrado.  A Bíblia se refere a elas pois elas se preparam para o inverno, tornando assim modelo de provisão para tempos difíceis.  Até o século 19 cientistas afirmavam que a Bíblia errava nesse ponto.

Todavia, os cientistas J.T. Moggride e H. McCook descobriram em 1880 que não a Bíblia, mas a própria ciência havia cometido um erro. Estas formigas realmente armazenam alimentos no inverno,  ou seja, em câmaras especiais de secagem construídas por elas no chão.

Então, temos ou não temos algo a aprender com estas singelas mensageiras de Deus?

(Fonte: Roger Liebi – Bibel und Wissenschaft)

O Espírito Santo – Deus que habita em mim (1a. parte)

As pregações nas igrejas aqui da Alemanha nas últimas semanas tiveram como tema a Pessoa do Espírito Santo. Todavia comunhão com o Espírito é algo que precisamos todos os dias do ano.  É imprescindível aprendermos a depender, andar e ter comunhão com o Espírito Santo se quisermos viver uma vida cristã autêntica. Pensando nisto compartilho com vocês um texto no qual venho trabalhando nos últimos dias, sobre o assunto.


A palavra para “ajudante ou auxiliar” em grego é paracletos, que significa, intercessor, conselheiro, advogado ou encorajador.

Como é bom saber que cada um de nós que já passamos pela experiência do novo nascimento, temos habitando dentro de nós a pessoa do Espírito Santo, ou seja, o Espírito enviado pelo Pai, o qual é a marca, o selo de que pertencemos a Ele.

“…fostes selados com o Santo Espírito da promessa; o qual é o penhor da nossa herança, até ao resgate da sua propriedade, em louvor da glória.” (Ef. 1:13,14)

É impossível vivermos a vida cristã, sem a ajuda do Espírito Santo. O grande marco na vida do discípulo acontece quando Ele se submete a direção e liderança do Espírito Santo. Sem o agir e mover d’Ele em nós, somos apenas parte de um grupo religioso, esforçando-se pra agradar a Deus com a força da própria carne.

O Espírito Santo é Deus, o Deus eterno vivendo dentro de nós. Ter comunhão com Ele está ao alcance de cada cristão que já experimentou o nascer de novo. Infelizmente muitos cristãos não buscam essa comunhão por medo de serem enganados, como são os seguidores de falsas religiões.

É importante entendermos que o Espírito Santo nunca irá nos enganar, pois Ele é o espírito da verdade, como está escrito em João 14:17

“O Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê, nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco e estará em vós.”

Precisamos aprender com Jesus, a depender do Espírito Santo. Vimos Ele agindo desde a concepção de Jesus.  Mateus nos informa que (Maria) achou-se grávida pelo Espírito Santo (Mt.1:18). E Lucas nos relata as palavras do anjo a Maria: “Descerá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do Altíssimo te envolverá com a sua sombra; (Lc.1:35)”.

No batismo temos a presença do Pai e do Espírito confirmando a identidade de Jesus: “…e o Espírito Santo desceu sobre ele em forma corpórea como pomba; e ouviu-se uma voz do céu: Tu és o meu Filho amado, em ti me comprazo.(Lc.3:21,22)

Todo o ministério de Jesus foi feito debaixo da unção e direção do Espírito Santo, bem como total dependência do Pai.

Jesus é nosso modelo maior. Portanto, precisamos aprender com Ele a viver em submissão e plena dependência do Espírito, se quisermos viver no centro da vontade do Pai.

Pomba-simbolo do Espírito Santo

 

Espero em breve escrever um outro artigo sobre este tema.

Shalom e abraços!

Publicado em Escrituras Sagradas, Família

O LAR – Um santuário, lugar de adoração ao Deus vivo e ensino de Sua palavra

A maior bênção que pode ser legada sobre uma família é ter a adoração ao Deus verdadeiro mantida de geração em geração”. (Matthew Henry)

O dia 15 de Maio foi escolhido pela ONU pra ser o dia internacional da família. Todavia família é importante todos os dias, não é mesmo? Acima de tudo, porque foi Deus quem criou a família.  Portanto, aproveito a ocasião pra postar um texto no qual venho trabalhando já a alguns dias. Espero que venha acrescentar algo mais sobre o que entendemos em relação ao lar e a família.


A Bíblia hebraica se refere ao Tabernáculo de Moisés e o templo de Salomão como “Miqdash”, ou seja “Santuário”, aqui está um destes textos:

“E acamparam a leste do tabernáculo, em frente da Tenda do Encontro, Moisés, Arão e seus filhos. Tinham a responsabilidade de cuidar do santuário em favor dos israelitas.” (Nm. 3:38)

P1090524

O Termo miqdash  vem do verbo hebraico “qadash”, que significa “consagrado” ou “santo”.  Portanto, a estrutura ou santuário onde os israelitas se reuniam e adoravam era visto como um “lugar de santidade.”

Depois da destruição do templo em Jerusalém e da dispersão da nação judaica no  “exílio”, os rabinos começaram a se referir ao lar como “miqdash meat“, ou seja, um pequeno santuário ou templo em miniatura. O Lar pra um judeu sempre foi visto como um santuário ao invés de um castelo.

 É através do alto chamado do casamento, qiddushin – um termo que se deriva de qadash – que um relacionamento de “santidade“, uma aliança “sagrada”,  é estabelecida no lar, ou melhor, no pequeno templo.

Esse pequeno santuário, assim como o Templo, deve incluir a adoração ao Deus vivo (Casa de oração), o ensino da Torah (Casa de estudo), e o serviço às necessidades da comunidade (Casa de reuniões).

Infelizmente, essa não é a realidade de muitos lares nos dias de hoje. Pra muitos o lar é um lugar de brigas, conflitos e abusos sem fim. Um lugar bem distante do propósito para o qual foi criado.

A igreja muitas vezes tem tomado o lugar da família e do lar. Mas nunca foi a intenção de Deus que a igreja substituísse o lar. Nos planos de Deus o lar sempre teve e continua a ter responsabilidade primordial em transmitir os valores cristãos, bem como o cultivo e crescimento de cada membro da família:

“Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração.  Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado em casa, quando estiver andando pelo caminho, quando se deitar e quando se levantar. (Dt. 6:6,7)

A palavra hebraica para “pais” é horeh, como a palavra torah, deriva-se do verbo “yarah”, que significa atirar, lançar, dirigir, arremessar.

Torah significa instrução, ensino, direção pra vida.

Portanto, como sacerdote em sua família, o pai (horeh) precisa prover instrução (torah) ao invés de deixar o encargo somente sobre a igreja.


 *Fontes consultadas: Bíblia sagrada – NVI / Our Father Abraham: Jewish Roots of the Christian Faith, Marvim Wilson

Publicado em Coisas do dia-a-dia

O Ninho na varanda

S2750001Hoje ficamos surpresos ao ver o ninho que foi tão bem preparado a poucos dias ocupado pela mamãe pássaro…isso me fez lembrar de um verso bíblico que amo muito:

“O pardal encontrou casa, e a andorinha, ninho para si e para a sua prole, eu os teus altares, SENHOR dos Exércitos, Rei meu e Deus meu!”             (Salmo 84:3)