unnamed-3

Para aqueles que são discípulos, seguidores de Jesus, é importante verem todas as coisas pela ótica de seu mestre.

Jesus, como um bom judeu, celebrou as festas judaicas, incluindo Hanucá.

João registra, em seu Evangelho, Jesus andando no Templo, durante o Festival de hanucá em Jerusalém:

“Celebrava-se em Jerusalém a Festa da Dedicação. Era inverno. Jesus passeava no templo, no Pórtico de Salomão”. (João 10:22)

Jesus conhecia muito bem a história por trás desta festa.  Como discípulos e seguidores dele, faríamos bem em conhece-la também.

Susan Michael* faz uma ótima explanação sobre a importância de hanucá, para nós cristãos:

“Os cristãos de hoje também fariam bem em lembrar-se da fidelidade de Deus para com os hebreus nesse primeiro hanucá. Se Antíoco tivesse conseguido aniquilar a nação de Israel, não haveria nenhuma mulher judia, chamada Maria para se tornar a mãe de Jesus Cristo. Também não teria havido o Templo para o início da história do Natal. Lucas 1 começa a história da natividade no Templo, com um anjo anunciando ao sacerdote Zacarias que sua esposa daria à luz a João Batista. Não é por acaso que Deus escolheu iniciar a História de Natal no Templo, o coração da vida e fé judaica naquele momento.”

Foi durante uma festa de hanucá que ele escolheu falar de si mesmo como “O Bom Pastor”, que “dá a sua vida pelas ovelhas.” E, “As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem. Eu lhes dou a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão. Meu Pai, que as deu para mim, é maior que todos, e ninguém pode arrebatá-las da mão do Pai. Eu e o Pai somos um “(João 10: 27-30)

Hanucá – A Festa da Dedicação-o Festival das Luzes é uma época para:

  • Permitirmos que a Santa Luz do Espírito  brilhe dentro de nós mesmos, revelando alguma idolatria ou impureza que tenha contaminado os nossos corpos (que são o Templo do Espírito Santo) e removê-la. E também de dedicar novamente nossos corpos como sacrifício vivo a Deus.
  • Dedicarmos nossos ouvidos para escutar a voz do nosso Pastor (cf. João 10 acima).
  • Tempo de deixarmos nossas “luzes” brilhar intensamente atingindo a escuridão, e ao mesmo tempo, se juntando à luz de outros discípulos de Jesus.

(*) SUSAN MICHAEL é diretora da ICEJ (Embaixada Cristã Internacional de Jerusalém) nos Estados Unidos.